QUEM SOU EU

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

A Certeza de um Grande Amor

Eu tive certeza até nas horas mais incertas
Em que as feridas purgavam feito veneno
Passou o tempo veio a grande descoberta
Que um verdadeiro amor nunca é pequeno

Como a natureza em suas estações diversas
Dos queimantes verões aos climas amenos
Eu tive certeza até nas horas mais incertas
Em que as feridas purgavam feito veneno

Por mais que o inverno seja frio e perverso
As folhas do outono protegem os terrenos
Nas dificuldades construímos os alicerces
Força e sustento para o amor que vivemos
Eu tive certeza até nas horas mais incertas

Auristela Fusinato Wilhelm
Poesia On-Line - 28/08/2009

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Despedir-se com Gratidão

Eu não quis dizer adeus
Disse apenas até breve
Mesmo sem os beijos teus
Beijei teu rosto de leve

Fiz em silêncio uma prece
Que te guie pedi a Deus
Eu não quis dizer adeus
Disse apenas até breve

Meu coração agradeceu
O tempo que aqui estivesse
Cultivando os sonhos meus
E muita alegria me deste
Eu não quis dizer adeus

Auristela Fusinato Wilhelm
27/08/2009- Mãe, eu ainda vou te encontrar - mais tarde, mas vou.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Sonhos que eu sonhei


Sonhos que eu sonhei
Que resolvi guardar
Ainda estão lá

Ficam a esperar
Quando os irei chamar
Não veem que eu acordei

Não esqueci meus sonhos
Apenas os deixei dormindo

Auristela Fusinato Wilhelm

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Pelos caminhos da vida...


Pelos caminhos da vida

Devagar vou avançando

Por vezes fiquei perdida

Mas continuei andando


Cada dia recomeçando

Há tempos dei a partida

Pelos caminhos da vida

Devagar vou avançando


Boa parte já foi cumprida

O passo já é mais brando

O cansaço não intimida

Eu sigo sempre sonhando

Pelos caminhos da vida


Auristela Fusinato Wilhelm

em 25/08/2009

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Espelho meu, espelho meu...

Por ti passo com meus olhos vendados
Não pretendo olhar o que estás a apontar
Nem me interessa ouvir o que queres dizer

Seguirei em frente, fica a refletir o nada
Não insistas que eu não pretendo parar
Procure outra, eu não quero enlouquecer

A vida é melhor sem ninguém a espreitar

Parta-te em mil pedaços e me deixa viver

Auristela Fusinato Wilhelm
Poesia On-Line - 24/08/2009
Mote: "Reflexões no espelho"

Sunny Lóra

Ao som das harpas e violinos
Entoando canções formosas
Os anjos traçaram teu destino

Deram-te um lindo caminho
Em meio a espinhos e rosas
E não te deixaram sozinha

Eis que aqui estás: iluminada
E por todos nós, és mui amada

Auristela Fusinato Wilhelm
Poesia On-Line - 21/08/2009
Mote: "há grandes destinos"
Proposto por Sunny Lóra
e escrito para ela


Essa tua felicidade

Essa tua felicidade
Que não sei como medir
É a mais pura realidade
Basta ver no teu sorrir

Parece jardim a florir
Regado a serenidade
Essa tua felicidade
Que não sei como medir

Com certeza é verdade
Que não é meu teu sentir
Mas lhe tenho afinidade
Sei que a mim pode servir
Essa tua felicidade

Auristela Fusinato Wilhelm
em 21/08/2009

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

QUANDO É PRECISO VOLTAR


Se for preciso voltar, que seja só a passeio
Matar a saudade e lembrar bons momentos
Sem frustrações, dores e arrependimentos.

Mergulhar fundo, apenas tempo suficiente
De não ficar preso às algas da memória
Tomar pé e voltar para a nova história

Que a volta permita um novo caminho

Então eu vou, se for preciso voltar...

Auristela Fusinato Wilhelm
Poesia On-Line – 19/07/2009
NO ESCURINHO DO CINEMA

Moro em cidade pequena
E no escurinho do cinema
Nunca estive de verdade

Adoro a arte das cenas
Vi muito teatro de arena
Isso tive oportunidade

Faltou-me um beijo roubado

No escurinho do cinema.

Auristela Fusinato Wilhelm

Poesia On-Line para o mote:
No escurinho do cinema
Nas mãos do poder a tarefa de manter a in/JUSTIÇA

Indivíduos infames indomáveis incapazes
Infieis imunes inertes incoerentes incorretos
Ineptos inconsequentes indecentes inconscientes

Ingovernabilidade isanável inadmissível
Inoperante insistente intolerância indecente
Incontáveis improbidades inconfessa inabilidade

Nas mãos do poder a tarefa de manter a justiça

E eu aqui divagando, presa à minha omissão.

Auristela Fusinato Wilhelm

INDIFERENÇA

Passaram anos, ainda somos os mesmos
Só não são as mesmas nossas reações
Não nos conhecemos e se foi a ilusão.

Estamos juntos, mas somos estranhos
Nem nos falamos por dias seguidos
Tão calejados que nem dor sentimos

Não sofro mais pela tua indiferença.

Aprendi a viver sem precisar do teu olhar.

Auristela Fusinato Wilhelm
Poesia On-Line 05/07/2009

SILÊNCIO


O

Teu
Silêncio
Diz-me tudo.
Confere a certeza
De já saber a tua resposta.

Auristela

DEVER DE POETA

Ofício de quem é poeta
Juntar alegrias e tristezas
Uma a uma modelando
Para costurar em versos
Instalado em outras almas
Busca a matéria prima
O artesão das palavras
No coração da menina
No amor incorrespondido
Ou intensamente vivido
No ciúme desmedido.
E na paixão incontida
Na loucura de muitas vidas
Mesmo sem ter vivido.

Auristela